Antologia de Finados

Encontro numa pasta aparentemente esquecida no fundo de uma gaveta alguns recortes de jornais e anotações minhas também, como temas de futuras crônicas para este espaço. De uma entrevista de Wood Allen — Você acha que as pessoas têm a impressão correta de quem você realmente é? — Não. Acham que sou um recluso, uma […]

Léo Martins

Encontro numa pasta aparentemente esquecida no fundo de uma gaveta alguns recortes de jornais e anotações minhas também, como temas de futuras crônicas para este espaço.

De uma entrevista de Wood Allen

— Você acha que as pessoas têm a impressão correta de quem você realmente é?

— Não. Acham que sou um recluso, uma pessoa temível que tem hábitos excêntricos e criativos. Nada poderia estar mais distante da verdade. Levo uma vida de classe média com minha família. Fazer cinema não é minha prioridade.

— Mas você é conhecido como intelectual.

— Mas não sou. Não leio muito e não me interesso por livros complicados. Não li livro nenhum até os 18 anos, e então, quando o fiz, foi com o único intuito de impressionar garotas.

— Mas você é neurótico?

— Sou um pouco claustrofóbico e agorafóbico. Sou um pouco depressivo e pessimista. Tenho medo de elevadores e aviões. Até os 40, mais ou menos, dormia de luz acesa. E fiz terapia durante 24 anos.

Do meu caderninho de notas

Não diga as últimas palavras. Não se despeça para sempre. Jamais prometa: “Não quero te ver nunca mais na minha frente”. Melhor que diga: “Tudo bem, acabou, mas quem é que sabe do dia de amanhã?”. Também vale dizer: “A gente se vê por aí”.

Alzheimer

Esquecer para poder lembrar. Não gosto de esquecer, a não ser de propósito, para poder lembrar. Sabem aquele restinho de pudim de leite que ficou da sobremesa do jantar? Foi esquecido e ninguém tocou nele. Ou não terá sido esquecido e deixado ali para a gula dos tímidos?

— Não — discorda minha mulher. — Nem uma coisa, nem outra. Isso foi só o acaso.

O avesso da glória

1) Agustín Lara, compositor mexicano de grande popularidade e prestígio, foi considerado um dos homens mais feios de sua época e, ao mesmo tempo, o mais invejado, já que foi marido da atriz Maria Felix, considerada a mulher mais bela do mundo — o mundo em que se viveu na primeira metade do século XX. Formavam a dupla A Bela e a Fera. O nome inteiro do compositor mexicano: Ángel Agustín María Carlos Fausto Mariano Alfonso Rojas Canela del Sagrado Corazón de Jesús Lara y Aguirre del Pino.

2) Ao contrário de Agustín Lara, o ator francês Alain Delon foi considerado o homem mais bonito e sedutor do mundo. Numa entrevista ao Paris Match, disse que perdeu a paixão pelo mundo que o rodeia, mas tenta desfrutar ao máximo os filhos e netos, para não morrer sozinho.

Do poeta Julio Cesar da Silva

Se ele do amor passou além da idade,

não trates esse amor para que vice:

tu vais subindo pela mocidade

e ele descendo vai pela velhice.

De ti bem sei que receias,

que a cada passo me dizes:

há certas horas felizes

em que são belas as feias.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s