Luto

Leia na crônica de Manoel Carlos

Eu estava em Lisboa quando recebi a notícia de que a MPB FM havia acabado. Mal pude acreditar.

Passeando pelas belas ruas da terrinha, entrei numa loja chamada A Vida Portuguesa, dedicada aos produtos locais. Esqueça Amália Rodrigues, Zambujo ou Carminho. Quem entoava trinados na caixa de som do estabelecimento eram mesmo Marisa Monte e Chico Buarque.

Ouço rádio no carro e, desde sempre, a MPB FM ocupou o número 1 do meu dial, seguida pela CBN, de notícias. Depois vinham as outras. Ou quase nunca vinham as outras.

Tenho aversão aos quase orgasmos das divas americanas. Elas têm o mau hábito de cantar gemendo, como se estivessem sofrendo de prisão de ventre. Katy Perry e companhia, aquele horror pasteurizado, tão insípido quanto o chamado menu internacional dos restaurantes sem personalidade. E tem também o hip-hop mainstream, que nivela qualquer idioma à mesma ladainha eletrônica, além das chatíssimas Adele, Madonna, Mariah Carey e Beyoncé.

A programação das rádios, com raras exceções, e incluo aí a Roquete Pinto e a JB FM, parece trazer sempre mais do mesmo, talvez por culpa do jabá, não sei. Não conheço como opera a indústria radiofônica, mas a MPB FM era um oásis no meio da mediocridade e fazia jus a um patrimônio cultural concreto, real, que é a música brasileira.

Falei que ouvi Marisa e Chico numa casa portuguesa, com certeza, mas faz tempo que escuto nossas canções em restaurantes, hotéis, táxis e bares do mundo. David Byrne já declarou o nervosismo de dividir o palco com Caetano. A Itália e a França idolatram Chico. Sinatra amava Tom. Björk adora Elis. Rodrigo Amarante arrebenta em qualquer língua. Camelo e Malu fundaram uma banda no além-mar. Mosquito é filho de Zeca. Mart’nália herdou a Vila de Martinho. Pedro, o talento de Baby e Pepeu. Os Mutantes fazem a cabeça da molecada de 15, assim como Tom Zé e a tropicália. E ainda temos Baden, Yamandu e Morelenbaum, Pretinho, Arnaldo, Alceu e Criolo.

Uma rádio só é pouco; nenhuma, é ultrajante. A Band, que acionou a guilhotina, deveria se mirar no exemplo da Fluminense, que na década de 80 fez diferença, acreditando num improvável B-Rock. Renato Russo, Herbert, Lobão, Cazuza, Titãs, Paralamas, Barão e o Ultraje surfaram nas ondas de uma rádio que estaria fadada ao ostracismo, não fosse a crença no poder da poesia nacional.

Fernando Mansur merece loas por projetos como o Palco MPB. O fim da rádio que tanto fez por músicos e ouvintes vem no embalo brega de políticos do nível de João Doria, dos adoradores de Miami, de Ralph Lauren, desse gosto free shop que domina o planeta. É o pior da globalização.

A Band deveria pensar melhor, voltar atrás, botar a mão na consciência e ampliar o alcance da música popular brasileira, não o contrário. Para os que investem, ouvem e vivem de rádio, fica a chance de jogar no lixo essa programação brega, imbecil e colonizada que domina as rádios para contratar os demitidos da MPB FM. Os órfãos de Mansur aqui estão à espera.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Ariane Carvalho

    Agradeço mais uma vez a Fernanda por declarar seu carinho pela MPB FM ! Segue meu agradecimento como umas das fundadoras da rádio ao Fernando Mansur e a querida equipe que por lá passou :
    A radio MPB FM faz parte da minha história , da minha vida profissional há 16 anos . está ideia ” simples ” que foi ter uma radio que homenageasse a nossa música , a música brasileira ! Com profissionais experientes ousamos ter uma radio que desde sua concepção , a cada música cita o nome de seus compositores .
    Fernando Mansur está conosco desde o seu nascimento , que orgulho e privilégio ter este profissional sendo a VOZ da radio e apresentando o Palco MPB , um show semanal com entrevistas , dando oportunidade de conhecermos mais sobre a vida de cada artista .
    A radio MPB sempre lançou artistas , criou programas e produtos como o Samba Social Clube , Faro MPB , Revista MPB e tantos outros ..
    Com certeza está bela trajetória só foi possível pelos grandes profissionais que tivemos ao longo destes anos .
    Ouvir a MPB é ouvir “Mansur ” que sempre nos trouxe respeito e credibilidade .
    Aproveito para lhe agradecer pela dedicação e profissionalismo e por ter sua suave companhia por todos estes anos .
    Ariane Carvalho