Deputado Jair Bolsonaro fala sobre polêmica com judeus

Leia na coluna Beira-mar

Sempre polêmico, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) provocou um racha na comunidade judaica do Rio e de São Paulo depois de ter sido convidado para dar palestras no clube Hebraica das duas cidades. Na capital paulista, houve até abaixo-assinado para barrar o seminário. Por aqui, o cineasta Silvio Tendler lançou uma campanha na internet batizada de #NãoemNossoNome, em que convoca a comunidade a não dar espaço ao deputado pelo fato de ele pregar a discriminação. Bolsonaro falou a VEJA RIO sobre a confusão.

Vai haver palestra na Hebraica mesmo, deputado? Sim, no Rio e em São Paulo, provavelmente em abril. Foi tudo um mal-entendido. A maioria esmagadora das pessoas quer me ouvir.

Como assim? Foi armação. O povo me trata muito bem aonde quer que eu vá. Quando vou a algum lugar, preciso abaixar a cabeça, senão pedem para tirar foto. Virei febre.

E quanto às acusações de que o senhor não respeita as minorias? Esse negócio de que sou homofóbico, racista, fascista e misógino é coisa de gente sem cérebro. Não me considero um cara preconceituoso.

Mas essa não é a opinião de muita gente. Todo mundo tem um amigo homossexual, mas eu me considero um herói por ter impedido o kit gay nas escolas. Se o preço a pagar por isso for o título de homofóbico, que continuem me chamando disso.

O senhor disse, certa vez, que “o Estado não tem de ser laico, pois os brasileiros são cristãos. Quem não gostar que se mude do país”. Eu disse isso mesmo. A maioria dos brasileiros é cristã, 90% da população, inclusive os judeus.

Mas os judeus não são cristãos. Se a maioria torce para o Flamengo, então o Brasil é flamenguista. Mas eu não vou perseguir ninguém, não. Só perseguirei o bem para o país.

LEIA MAIS NA COLUNA BEIRA-MAR

+ Mariana Goldfarb turbina seios com silicone que é novidade no mercado

+ Tatá Werneck chora com Mr. Catra e embaraça Sandy e Bruna Marquezine em novo programa que estreia em abril

+ Milton Gonçalves sobre polêmica saída da presidência do Theatro Municipal: “Não me amedrontei”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Arnaldo de Campos

    E ele ainda tem uma legião de seguidores que não importa o que ele fale, sempre vão amenizar para continuar a favor do tal.

  2. É preferível “continuar a favor do tal”, que as vezes pode parecer meio rude, na verdade ele está somente falando a realidade, que para muitos dói, do que continuar a favor do Comandante máximo da maior organização criminosa que tomou o Brasil de assalto.

  3. Diego Câmber

    Concordo. Sou ateu e se caso eu esteja descontente que o país seja em maioria cristã, melhor que eu mude de país. Não é o caso.

  4. Tito Chertoff

    Diego, duvido q vc seja ateu.