Mundo animal

Histórias inusitadas, dicas e curiosidades do universo dos animais de estimação no Rio

Sempre juntos

A designer Miriam D?Aquino Amado mantém em seu ateliê, no bairro de São Conrado, seis cadelinhas da raça schnauzer. O bando começou com Nina, que deu cria, e sua dona decidiu ficar com os três filhotes. Depois, vieram outros exemplares semelhantes. “Trabalhamos todos juntos. Minha inspiração só vem assim”, conta ela, que lançou, inclusive, uma linha de caminhas para cachorro com capas removíveis. A “matriarca” de quatro patas tem comportamento exemplar. “Quando chega um cliente, Nina leva as filhas escandalosas para o jardim e volta para acompanhar a negociação”, diz Miriam. Segundo ela, o único defeito da raça é latir em demasia. No mais, são bichos saudáveis, inteligentes, fáceis de cuidar e não soltam muito pelo.

mundo-animal-02.jpg

mundo-animal-02.jpg

Missão resgate

Médico veterinário, o português Nuno Paixão prestou serviço no atentado de 11 de setembro, na Guerra do Afeganistão e em outras áreas atingidas por catástrofes. Especialista em resgate de animais, seja no fogo, seja no gelo, ele veio na semana passada ao Rio, onde deu uma palestra sobre o tema numa feira do segmento pet. “NoFuracão Katrina, salvei também muitos donos que não se desgrudavam de seus bichos”, diz ele, que alertou para a necessidade de formar equipes de emergência em regiões de risco como a Serra Fluminense. “Bombeiros já se sobrecarregam de salvar gente. Em parceria com o Conselho de Medicina Veterinária, eles poderiam treinar voluntários sem custos para o governo”, aconselha.

mundo-animal-03.jpg

mundo-animal-03.jpg

Fauna nada vulgar

Na casa do estudante de veterinária Felipe Ludugerio, em Madureira, convivem seis habitantes nada comuns: a coruja Safira, o teiú Bruthus, as jiboias Naguini e Sadan, o falcão Jade e o furão Mushu, que não apareceu na foto por ser muito arisco. Amante de animais desde criança, Ludugerio dispensava os brinquedos. Em um ato de exagero, ele assiste às aulas na faculdade com pelo menos um xodó a tiracolo. “Meu vício é criar bichos. Está para chegar outra jiboia”, conta ele, que alimenta um grande sonho: adicionar um macaco-prego a sua fauna doméstica. Por enquanto, ele está envolvido em um projeto mais palpável: convencer a namorada a comprar uma arara.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s