Casa Encaixotada

Tipos de Gêneros dramáticos: Monólogo dramático
Veja Rio
starsstarsstarsstarsstars

Resenha por Rafael Teixeira

Criado por uma família ausente, Ben (Frank Borges) passou a infância se mudando, por conta das transferências do pai no trabalho. Assim, na falta de um teto afetivo sólido e sem as raízes de um lar duradouro, soa algo irônico que ele tenha se tornado corretor de imóveis, como se precisasse estar permanentemente ligado a residências, mesmo que elas jamais venham a lhe pertencer. Para Ben, a única morada possível é a da memória, como parece sugerir o drama Casa Encaixotada. Escrito pelo próprio Borges (sozinho em cena), o texto entrega um jorro de lembranças do personagem. A própria ideia de reminiscência é evocada na dramaturgia estilhaçada — diga-se, por vezes árida, beirando um hermetismo que demanda a adesão da plateia. A direção de Ruy Filho reforça a fragmentação em modulações de ritmo e tom, encampadas na atuação de Borges. Especialmente feliz, a cenografia parece reproduzir um apartamento vazio, mas, continuamente modificada através da manipulação de fitas adesivas, também sugere plasticamente o espaço da memória

    info
  • Duração: 50 minutos
  • Recomendação: 12 anos
Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s